15 minutos de improviso

Não tem rede, é associação livre de ideias dos actores, pede-se que falem deles, que sejam verdadeiros... uma tentativa para a anulação de personagem. Resulta um fenomeno. Tiramos conclusões a partir dele. Temos uma perspectiva do outro. É assim a análise do alienista ou de qualquer outra forma subjectiva.
Não é uma cena de relação directa entre os personagens, podia também ser, e a peça poderia ser apenas isto, mas se fosse, seria teatro?

2 comentários:

Leão disse...

15 minutos de improviso... Uma oportunidade para transmitir uma mensagem subjacente à observação que o alienista faz dos outros. Uma ideia de encenação que transmite uma das mais importantes mensagens da peça (quanto a mim. Bem, mesmo no improviso, quando antecipadamnente se sabe ser improviso, o actor:
fará sempre uma pequena ideia daquilo que vai falar
falará sempre com uma certa técnica de representação que o faz transmitir a mensagem de uma forma diferente da que utiliza no seu dia-a-dia para conseguir cativar o público que tem diante de si(eu utilizaria)
Mesmo no improviso nunca esqueceremos as bases de uma representação teatral (ser verdadeiros naquilo que dizemos, porque o objectivo é levarmos o espectador a esquecer que aquilo é uma peça de teatro e a entrar num autêntico mundo alienado...

Leão disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.